Você está aqui: Página Inicial > Contents > Páginas > Histórico

Notícias

Histórico

A UFPB completa 60 anos, abundante de memórias!

por publicado: 11/12/2015 12h37 última modificação: 05/05/2017 10h56
CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS – CCSA

CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS – CCSA

Centro de Ciências Sociais Aplicadas: 38 anos com muita tradição!
Uma tentativa de priorizar essas memórias esbarra na multiplicidade de aspectos, dentre os quais, os diferentes espaços ocupados e a densidade desses espaços, além dos marcos da História oficial.
A formação do campo das instituições de ensino superior da Paraíba inicia-se com a criação e funcionamento da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), criada pela Lei Estadual 1.366, de 02 de dezembro de 1955, e instalada sob o nome de Universidade da Paraíba como resultado da junção de algumas escolas superiores.

O ambiente favorável para tal realização surgiu a partir de um contexto marcado pela crescente influência política do então governador da Paraíba, José Américo de Almeida, pela procura de cursos, pelo aumento do número de alunos, pelas condições precárias de funcionamento de algumas dessas escolas e pela necessidade de uma instituição “ligada à reestruturação do Estado e à formação de quadros técnicos e administrativos” (CASTELO BRANCO, 2005, p. 169).
Contudo, toda essa história remonta ao ano de 1934, com a criação da Escola de Agronomia do Nordeste, instalada na cidade de Areia, através do Decreto Federal nº478, de 12 de janeiro, e que abriu perspectivas de criação de outras escolas de ensino superior. Em 1947, em João Pessoa, foi fundada a Faculdade de Ciências Econômicas, dois anos depois, em 1949, a Faculdade de Filosofia (FAFI). Em 1951, vieram a Faculdade de Direito, a Faculdade de Medicina, a Faculdade de Odontologia da Paraíba e a fundação da Escola de Serviço Social. No ano de 1952, foi criada a Escola Superior de Engenharia da Paraíba, no ano seguinte, a Escola de Enfermagem, dentre outras.
Posteriormente, com a sua federalização, aprovada e promulgada pela Lei nº 3.835 de 13 de dezembro de 1960, na “expectativa de desafogo dos cofres estaduais, melhoria dos quadros universitários e ampliação de maiores possibilidades de acesso, sobretudo às classes médias, em virtude de uma aguardada gratuidade do ensino” (CASTELO BRANCO, 2005, p. 171), foi transformada em Universidade Federal da Paraíba, incorporando as estruturas universitárias existentes nas cidades de João Pessoa, Campina Grande, Areia e Bananeiras, também ampliando suas fronteiras em Patos, Souza e Cajazeiras. Ao longo desse tempo, a Universidade Federal da Paraíba foi organizando as suas memórias e entendemos, como Icléia Thiesen (2013, p.165), que “uma instituição é, pois, obra coletiva, criação social, cultural, acontecimento”. E, como as instituições são construídas historicamente, carregam consigo uma bagagem de informações que representam suas memórias.
A memória arquivística da UFPB não dá conta de formas e da fluidez de ações e pensamentos de uma população acadêmica dinâmica, flutuante e heterogênea, porém dispõe-se de uma mistura de dados, composto por imagens do passado. Os traços estruturais de sua concepção caminham com o mesmo intuito inicial: o de se tornar um espaço de produção de novos conhecimentos, além de se estabelecer como instituição de ensino superior. Além de se constituir num centro de ensino e de extensão, a Universidade buscou desenvolver atividades de pesquisa através de seus cursos de pós-graduação. A estratégia tem contribuído para reafirmar o reconhecimento acadêmico dessa Universidade, além de solidificar a sua posição dominante no estado da Paraíba.
É inevitável que esses quadros sociais do passado ressurjam, quando a tônica é a memória da Universidade Federal da Paraíba. A tendência é sempre recuperar fatos e necessidades antigas em sua relação com as atuais, no entanto, a ação destruidora do tempo pode ter um efeito paradoxal de salientar e articular novas condições sociais, culturais, econômicas e científicas dos espaços e das condições de vida de seus componentes.
A Universidade da Paraíba, criada em 1955, passou a congregar as instituições existentes e, atualmente, a Universidade Federal da Paraíba, uma instituição autárquica de regime especial de ensino, pesquisa e extensão, vinculada ao Ministério da Educação, possui diversos campi, atuando em diferentes cidades da Paraíba, fortalecendo a interiorização de suas ações.

Como dito, a partir de sua federalização, a UFPB desenvolveu uma crescente estrutura multicampi, dividida em Centros. A estrutura acadêmica da UFPB foi reformulada pela Resolução n.º 12/73, amparada na legislação reformista e sob os auspícios do governo militar, que lançou as bases para a formação de CENTROS como órgãos intermediários e de concentração dos departamentos por áreas de conhecimentos básicos e profissionais. Assentada nesse princípio institucionalizou-se no âmbito do Campus I da UFPB, a partir do Art. 1º da Resolução em epígrafe, os seis Centros que passaram a compor a Universidade, dentre os quais o Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA). O Art. 2º explicita que os Centros são entendidos como coordenações de departamentos afins, resultantes da transformação ou fusão de Institutos, Escolas e Faculdades.
O CCSA agregou, inicialmente, as Faculdades de Direito, de Ciências Econômicas e de Educação. E dentre os vários departamentos que passaram a funcionar, destaca-se o Departamento de Administração e Contabilidade aos quais se ligavam os dois Cursos: de Administração e de Ciências Contábeis. Posteriormente, esse mesmo departamento agregou ainda o Curso de Biblioteconomia e Documentação, que, originalmente, funcionava vinculado a Faculdade de Filosofia.
O CCSA teve seu primeiro Regimento aprovado por meio da Resolução nº 230/1980 do CONSUNI. Tendo como seu primeiro Diretor, o Professor Berilo Ramos Borba no período de 1977 a 1980, composto inicialmente pelos cursos de Economia, criado pelo Decreto lei nº 30.236 de 04 de dezembro de 1951; Administração, em 23 de junho de 1963; Ciências Contábeis, Biblioteconomia, criado 06 de janeiro de 1969, e, Direito que em 1973, passou a integrar o CCSA, juntamente com outros cursos da área de Ciências Humanas. Mas, foi em 1988, através da portaria nº 90/88 do CONSUNI, assinada pelo Reitor Antônio de Souza Sobrinho que se instituiu o Centro de Ciências Jurídicas, desvinculando o Curso de Direito do Centro de Ciências Sociais Aplicadas.
Com espaço físico privilegiado, associado ao vertiginoso aumento do número de alunos e professores o CCSA reestruturou-se com a criação de novos Departamentos, ficando: Departamento de Administração; Departamento de Biblioteconomia e Documentação, atual Departamento de Ciência da Informação; Departamento de Economia; Departamento de Finanças e Contabilidade; Departamento de Relações Internacionais; e Departamento de Gestão Pública.

Para além dos Departamentos, o CCSA conta com os seguintes cursos de graduação em: Administração; Arquivologia; Biblioteconomia; Ciências Atuariais; Ciências Contábeis; Economia; Gestão Pública; e Relações Internacionais. Para além da formação de Ensino Superior, o Centro conta ainda com os Cursos de pós-graduação e Stricto Sensu, nos níveis de Mestrado e Doutorado, com os seguintes Programas: Programa de Pós-graduação em Administração (PPGA); Programa de Pós-graduação em Economia (PPGE); Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação (PPGCI); Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis (PPGCC) e o Mestrado Profissional em Economia do Setor Público. E o Mestrado Profissional em Organizações Aprendentes (MPGOA), desenvolvido em parceria com o Centro de Educação.

Em relação a sua infraestrutura, o CCSA abriga laboratórios que atendem todas as áreas e outros de ações específicas e alta complexidade como o Laboratório de Conservação e Restauro, com o objetivo de atender as especificidades dos Cursos de Documentação do Centro.

Esse se constitui no primeiro e mais bem equipado laboratório do Estado da Paraíba. Outros aparelhos comungam para o avanço do Centro no que diz respeito ao tripé institucional do Ensino, Pesquisa e Extensão. 

A exemplo do Laboratório de Inclusão Digital, Biblioteca Setorial, Auditórios e salas de aula que se instalaram para atender as especificidades dos Cursos ofertados.

Ao longo de sua história, o CCSA possuiu nove diretores que ajudaram na sua estruturação e consolidação.

 

 

Lista de Diretores do CCSA

Gestão

Berilo Ramos Borba

1977 a 1980

Wilson Guedes Marinho

1981 a 1984

José Décio de Almeida Leite

1985 a 1988

Fenelon Medeiros Filho

1989 a 1992

Rômulo Soares Polari

1993 a 1996

José Edinaldo de Lima

1997 a 2000

José Décio de Almeida Leite

2001 a 2005

Guilherme de Albuquerque Cavalcanti

2005 a 2013

Walmir Rufino da Silva

2013 até o presente

 

 

 

 

CCSA E A CONSTRUÇÃO DA REALIDADE SOCIAL

 

Atualmente, a comunidade acadêmica do CCSA tem cerca de 4.000 alunos. Seus estudantes de graduação realizam intercâmbio com outras universidades brasileiras e estrangeiras. O corpo docente é composto por aproximadamente 191 docentes e 95 técnicos administrativos. A pós-graduação também tem mantido intensivamente articulações no Brasil e fora deste a partir dos seus grupos de pesquisas, interagindo de forma produtiva com pesquisadores estrangeiros que contribuem em âmbito internacional.

Em atendimento à demanda de instituições públicas e privadas, o CCSA desenvolve pesquisas nas áreas de Planejamento e Política Social, nas áreas de Custos, Marketing e Finanças, Administração Geral, Recursos Humanos, Administração Pública, Administração de Operações e Sistemas de Informações; atua também nas áreas de Economia do Setor Público, do Trabalho, nas áreas de informação, Memória e Patrimônio, Violência contra a Mulher, Tratamento da informação, Gestão da Informação e do conhecimento, informação étnico-racial, arquitetura da informação pervasiva, acesso e uso da informaçãoe na área das relações internacionais prioriza a Análise de Política Externa, Atores subnacionais, Conflitos Internacionais, Cooperação Internacional e Desenvolvimento, Defesa, Geopolítica e Segurança Internacional, Democracia, Desenvolvimento Econômico, Direito Internacional Público Direitos Humanos, Economia Política Internacional, Estudos de Paz, Ética e as Relações Internacionais, Integração Regional, Ordem Energética Internacionalentre outros.

No Campo da extensão, executa projetos diversificados nas áreas de cada Departamento. Atualmente, o Centro oferece cursos de especialização nas diversas áreas de cada departamento, projetos técnicos para outras instituições, encarregando-se, também, de projetos de consultoria e capacitação técnica junto a Prefeituras Municipais e assessoria a Órgãos prestadores de Serviços Sociais.

CCSA mantém, por meio de seus Departamentos e Cursos de Pós-graduação convênios com Universidades nacionais e estrangeiras como Universidade do Tennessee, Harvard, Texas, Illinois, Cornell (USA), Londres (Inglaterra), Complutense de Madri, Murcia (Espanha), Lion (França), Lisboa, Coimbra, e Porto (Portugal), além de outras instituições de ensino e pesquisa na África e América Latina. Além dos convênios com instituições públicas e privadas e órgãos de apoio financeiro como o CNPq, FINEP, BIRD e CAPES.

Quando deslizamos os acontecimentos sob as lentes de aumento da memória da UFPB, em particular do CCSA, estas lhe dão relevo, recuo de superfície e perspectiva em diferentes pontos do espaço e do tempo, como diria Proust. O sonho tão sonhado com diferentes feitios. Ao longo desse tempo, esse complexo educacional, científico, tecnológico e social tem contribuído com a formação da sociedade brasileira a partir do (re)conhecimento partilhado por meio do ensino, da pesquisa e da extensão, bem como, com a preservação da memória da educação e da ciência do nosso país, formando pessoas cada vez mais qualificadas no campo das Ciências Sociais Aplicadas. 

Eis a nossa prioridade!